sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Como escolher frutas, legumes e verduras? Os perfeitos são perigosos ...

Getty ImagesAo comprar frutas, verduras e legumes, fique de olho nas consistências, texturas, cores e até cheiros para se certificar de que o que está levando para casa está bom para consumo. As chances de acertar são maiores quando os produtos são os da estação, mas cada um tem suas particularidades. Veja dicas e truques simples para uma boa compra.
1. Verduras Folhosas e flores frescas não amadurecem fora do pé, apenas entram em decomposição. Ao escolhê-las, prefira as de estrutura mais firme e coloração verde vivo, sem manchas amarronzadas ou bordas queimadas ou desbotadas.
Alface: Tanto a lisa como a crespa dão sinais de frescor quando suas folhas estão menos rígidas e mais fechadas. Por ser mais abertinha, a alface americana deve ser escolhida pela cor e tamanho de suas folhas, que devem ser claras e uniformemente medianas.
Alcachofra: As pétalas precisam estar bem juntinhas. Quando estão espaçadas, fica amarga e dura demais. Quanto ao talo, se estiver maleável, é porque a alcachofra está pronta para comer. Marcas escuras no buquê revelam deterioração.
Espinafre: Teste se a hortaliça está muito imatura amassando de leve suas folhas. Se o som for quebradiço, mau sinal. Prefira os arranjos mais verdes, com folhas hidratadas e caules durinhos. Brócolis e couve-flor: Nos dois tipos, os botões abertos e os talos moles mostram que essas verduras não estão mais consistentes e nem frescas. Os melhores e mais saborosos são superficialmente mais verdinhos. Tons amarelados, roxos ou brancos denunciam velhice ou presença de bolor.
Repolho: Uma aparência viçosa é sem as folhas de fora muito separadas, murchas ou rasgadas. Nessas condições, revelam que o repolho está velho ou foi mal armazenado.
Getty Images
2. Legumes e tubérculos Entre todos os vegetais, esses costumam ser os mais fáceis de escolher. Preste atenção nas texturas das cascas dos legumes, que devem ser lisas, sem partes meladas e sem feridas. Em relação aos tubérculos,o formato não importa tanto, mas a casca deve ser firme e sem manchas ou rugas.
Cenoura, quiabo e pepino: Devem estar uniformes e com as cascas firmes. Ao comprar cenoura e quiabo, se estiverem muito crescidos, provavelmente, estão endurecidos, ruins de preparar - para testar, tente entortá-los ou quebrar sua
pontinhas. Já os melhores pepinos são os menores e mais finos. Se, ao apalpar, for possível sentir as sementes pela parte externa, é sinal de que já passaram do ponto.
Batata e mandioquinha: No ponto certo, parecem rígidas, mas são macias ao serem apertadas com os dedos. O estado maleável permite que sejam cozidas e soltem as cascas depressa. Fuja dos esverdeados, rugosos e com brotos nascendo Prefira as mais lisinhas e amarelas.
Cebola: Por ter a casca fina, é suscetível a machucados externos, que, se ficarem escuros ou pegajosos, alertam sobre infecções por parasitas e bactérias. As de boa qualidade são as que estão bem firmes e revestidas com uma casca 
escura, que as conserva melhor.
Tomate: Não pode estar amassado e nem com furinhos, pois a polpa perde sumo e acaba atraindo insetos com mais facilidade. Priorize os que tenham talo, que protege o alimento de contaminações, e que exalem um odor não muito forte,pois são os mais saborosos.
Abobrinha e berinjela: As cascas são delicadas e precisam estar lisas, sedosas e com a cor por igual, sem cicatrizes ou avarias. Sinta esses legumes apalpando-os, mas sem apertar: o peso deve ser leve, embora sejam bem sólidas.
Getty Images
Imagem: Getty Images 
3. Frutas Para descobrir as que estão no ponto certo analise a coloração, textura, aroma e simetria. As cascas não devem ser perfeitas e nem muito brilhantes, pois esse é o aspecto de frutos que receberam produtos químicos. Já o cheiro dá pistas das que estão maduras ou apodrecendo.
Manga, mamão e pêssego: Quando estão bem maduros, apresentam casca macia e em tons alaranjados. Também cheiram doce, mas se o odor for forte indicam que já estão ficando passados ou mofados. Se forem comprados verdes, para acelera o amadurecimento, mantenha-os em temperatura ambiente e coloque entre eles uma banana madura. No ponto para consumo, a banana exala gás etileno, que ao ser absorvido pelas fibras das frutas precoces, amacia e adoça suas polpas.
Maracujá e abacate: Eles são climatéricos - ou seja, depois de colhidos continuam a amadurecer. Quando estão prontos para consumo ficam pesados, indicando que apresentam mais polpa. Para saber se o peso do abacate corresponde mais ao tamanho do caroço, sacuda-o. Se sentir algo solto por dentro, significa que o fruto ainda vai encorpar e amadurecer.

Maçã e pera: A aparência saudável de ambas é levemente reluzente e simétrica, nada comparáveis às que recebem agrotóxicos em excesso e são perfeitas, graúdas e muito brilhosas. Além disso, a base dos cabinhos das frutas “envenenadas” fica esbranquiçada. Se possível, dê preferência às versões orgânicas, que se desenvolvem naturalmente e são atestadas com o selo “Produto Orgânico Brasil”.

Laranja, kiwi e limão: No caso das frutas cítricas, quanto mais pesadas, melhor. O motivo? Indicam que estão hidratadas e com bastante suco. Já as cascas, se estiverem bem lisas e finas, como se tivessem esticado, demonstram que os frutos atingiram o tamanho máximo e estão bem menos ácidos.

Banana e goiaba: Quando estão bem maduras, têm seus amidos transformados em açúcar - daí seus odores adocicados inconfundíveis. Não as refrigere: caso contrário, as bananas escurecem e as goiabas perdem o sabor. Se apanhar um cacho de banana semi-amarelo, troque-o por um todo esverdeado, assim todas as unidades amadurecem por igual.

Abacaxi e uva: Devem possuir cabinhos ou coroas verdes - se forem escuros, indicam que estão envelhecidos. A uva pode ser guardada na geladeira; quanto mais lisa a sua casca, mais madura e doce ela está. No caso do abacaxi, se as folhas da coroa se desprenderem com facilidade ou se o fruto apresentar contornos alaranjados é sinal que já pode ser comido.
Fontes: Giovana Guerra, nutricionista da Hortigil Hortifruti; Maria Elisa Yaemi, nutricionista da rede de hospitais São Luiz; e Associação Comercial dos Produtores e Usuários da Ceasa (Acegri) .



                 Blog de Deusa / UOL 




Excesso de ácido fólico na gravidez pode elevar risco de autismo A conclusão vem de um estudo conduzido por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, nos Estados Unidos

mulher grávida com a mão na barriga olha pela janela pensativa

São Paulo – O consumo de folato – ou ácido fólico na forma sintética – antes e durante a gestação é essencial para ajudar no fechamento do tubo neural dos bebês, que formará o sistema nervoso central. A substância também evita problemas morfológicos, como anencefalia, fenda palatina e lábio leporino, mas o excesso dessa vitamina (B9) pode aumentar duas vezes o risco de autismo nas crianças.


A conclusão vem de um estudo conduzido por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, nos Estados Unidos, que analisou 1.391 mães e respectivos filhos entre 1998 e 2013. O nível de folato no sangue delas foi medido logo após o parto, e as crianças foram acompanhadas nesse período.
Os resultados, apresentados em 2016, indicaram que as mães de filhos autistas tinham níveis de folato quatro vezes mais altos do que o adequado. O excesso foi encontrado em uma a cada dez participantes.
“O excesso de folato atua em um quadro muito específico, no mecanismo de hipermetilação do DNA do feto, que pode prejudicar o neurodesenvolvimento. O excesso pode prejudicar os genes que fazem a maturação do encéfalo e causar alguma má formação, podendo desenvolver autismo ou autismo parcial”, explica Antonio Cabral, doutor em obstetrícia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e professor titular de obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Cabral deixa claro, porém, que o autismo é causado por motivos muito mais amplos do que esse fator isolado. “Tem de ter predisposição genética e outros fatores. O excesso de folato pode ter uma consequência diferente em outra pessoa”, salienta.
Transtorno
O psiquiatra Andreas Stravogiannis, diretor técnico da Associação de Amigos do Autista (AMA), explica que o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento e tem múltiplas causas. “Tem o fator genético e os fatores ambientais que, junto com os hereditários, podem levar ao quadro”, diz.
Entre as possíveis causas ambientais, o especialista cita as infecções neonatais, problemas no trabalho de parto, desnutrição da mãe que pode atrapalhar a formação do feto, exposição a substâncias químicas ou tóxicas durante a gravidez ou do bebê nos primeiros dias de vida e parto prematuro.
Stravogiannis diz que ainda é um questionamento para médicos e para a ciência por que fatores tão distintos levariam a um quadro de autismo – ou outra alteração neurológica. Mas ele ressalta que nem toda mãe que passa por alguma dessas situações terá um filho autista.
“Quando se chega ao diagnóstico de autismo, cabe investigar as possíveis causas, mas, na maioria das vezes, as pacientes não têm evidências suficientes que justifiquem o autismo”, explica o psiquiatra.
Na época da divulgação do estudo, alguns médicos rebateram os resultados. Segundo as críticas, os pesquisadores estariam sendo “irresponsáveis” e “gerando riscos” nas mães que, na verdade, deveriam continuar tomando a vitamina. Além disso, um estudo publicado em 2013 no “The Journal of the American Medical Association” mostrou que a ingestão de ácido fólico por gestantes reduziria o risco de autismo.
Antonio Cabral explica que, naquele momento, houve o alerta de que as mulheres já estavam ingerindo ácido fólico na alimentação. A substância pode ser encontrada naturalmente em frutas e vegetais e é utilizada para enriquecer farinhas. “O que não deve haver é uso em altas doses”, enfatiza. A ingestão de ácido fólico por gestantes continua sendo importante.
Por já consumir a vitamina nos alimentos, mesmo sem saber, as mulheres grávidas ou que planejam ter filhos devem se atentar para a dosagem correta na hora da suplementação. O ideal, segundo Cabral, é ingerir de 0,4 a 0,8 miligramas por dia antes de engravidar e nos três primeiros meses da gestação, seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de entidades brasileiras como o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo).
Essa dose, porém, pode variar de uma mulher para outra. “Se a mulher tem alguma atividade ou hábito que possa reduzir o ácido fólico (no organismo), como fumar ou atividade física intensa, pode usar dentro dessa dosagem ou um pouco mais. Tem de conversar com o médico para ver se é excessiva”, explica Cabral. Um exame de sangue que mede a quantidade de folato também pode auxiliar na prescrição correta da vitamina.
Ausência ou ingestão incorreta
No Brasil, 55,4% das mulheres engravidam sem planejar, segundo uma pesquisa realizada pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz). Ou seja, elas não se beneficiam das ações positivas do ácido fólico antes da concepção.
Além de ajudar no neurodesenvolvimento e na morfologia, a vitamina auxilia na formação do coração e, se tomada em doses mais baixas durante toda a gestação, evita parto prematuro, afirma Cabral.
O risco do excesso de folato no sangue está presente. Por ser uma vitamina comum, a substância é vendida em farmácias sem necessidade de prescrição médica e distribuída gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Neste último caso, ela é adquirida para diversos fins, como contra anemia, e pode estar disponível em dosagem maior do que a indicada para grávidas.
Mais estudos
“A suplementação adequada é protetiva – continua sendo o caso do ácido fólico”, diz Daniele Fallin, uma dos autores do estudo da Johns Hopkins Bloomberg. No entanto, os pesquisadores dizem que mais estudos são necessários para determinar quanto de ácido fólico uma mulher deveria consumir durante a gestação.
“O ácido fólico age no primeiro trimestre, principalmente, no tubo neural. Teria de ver se nesse período inicial (as mães) tinham valores elevados”, considera Stravogiannis, apontando para o fato de o estudo ter medido os níveis de folato no pós-parto.
Em meio aos benefícios importantes e possíveis riscos do excesso de folato em gestantes, o alerta é para que médicos e mulheres se atentem para a dosagem adequada da substância.



          Blog de Deusa  / Exame


“Luva” robótica espreme coração para que o órgão continue a bater O protótipo envolve os músculos externos do coração e pode ser uma solução para os pacientes com insuficiência cardíaca

Luva robótica para o coração
São Paulo – Pesquisadores da Universidade de Harvard criaram um robô que poderá melhorar a qualidade de vida de milhões de pessoas que sofrem de insuficiência cardíaca. O protótipo é similar a uma luva. Ela envolve o coração e entra em sintonia com o ritmo do órgão para que ele continue funcionando.
Feita a partir de silício, a luva robótica é macia e flexível. Ela ajuda o coração a bombear sangue a partir da aplicação de pressão alternada e sucção, que é impulsionada por ar pressurizado. Isso permite que o protótipo faça movimentos semelhantes aos de um coração batendo.
Outra característica interessante da luva é que ela pode ser personalizada, segundo Ellen Roche, autora principal do estudo, em comunicado. Caso um paciente tenha o lado esquerdo do coração mais fraco, o produto pode ser ajustado para focar na região. Além disso, a pressão da luva pode ser aumentada ou diminuída dependendo de como a condição do paciente evolui.
Até agora, o equipamento foi testado apenas em porcos. Os cientistas induziram paradas cardíacas nos animais e notaram que a luva robótica ajudou os corações dos suínos a bombearem sangue novamente.
“Esta pesquisa é realmente significativa, pois cada vez mais pessoas estão sobrevivendo a ataques cardíacos e acaba ficando com insuficiência cardíaca”, disse Roche. “Dispositivos robóticos são ideais para interagir com tecidos moles e dar a assistência que pode ajudar com o aumento da função (do órgão) e, potencialmente, até a cura e a recuperação.”
A ideia dos pesquisadores é que a luva robótica possa substituir os dispositivos de assistência ventricular. Geralmente, eles são usados para manter o sangue fluindo enquanto pacientes esperam por transplantes.
O problema desses aparelhos é que o sangue tende a coagular dentro de seus canos artificiais – e isso pode parar o bombeamento. Caso esses coágulos se soltem, eles podem bloquear os vasos sanguíneos e causar derrames. Assim, muitas pessoas que sofrem de insuficiência cardíaca precisam tomar anticoagulantes, o que pode causar hemorragias.
Como a luva cobre apenas a região externa do coração e não entra em contato com o sangue, ela eliminaria a necessidade de os pacientes tomarem anticoagulantes.
De acordo com os cientistas, o protótipo ainda não é perfeito. Ele causou inflamação nos órgãos dos porcos testados, por exemplo. No entanto, os pesquisadores acreditam que a pesquisa seja um passo importante para que a luva robótica ajude o órgão a funcionar.
A Universidade de Harvard já arquivou um pedido de patente do produto e pretende comercializá-lo. “Nós vemos muitas outras aplicações futuras nas quais tais dispositivos podem entregar terapias mecânicas dentro e fora do corpo”, disse Conor Walsh, outro autor do estudo.

O vídeo abaixo (em inglês) explica como o protótipo funciona:


 Blog de Deusa / Exame


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa

Resultado de imagem para Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa
A tontura pode estar presente em doenças como labirintite, diabetes ou anemia, por exemplo, sendo que na maioria dos casos está associada a outros sintomas como falta de equilíbrio, vertigem e sensação de que a cabeça está sempre girando mesmo quando está parado.
A tontura pode surgir quando uma doença crônica não está equilibrada, como quando ocorre falta de açúcar no sangue na diabetes ou ser sinal de alerta para ir no médico como no caso de infarto ou anemia, por exemplo. Além destas causas, a tontura pode ser sintoma de crises de ansiedade, problemas de visão, enxaqueca, ou surgir em dias de muito calor, durante o banho com água muito quente, quando se levanta de repente ou quando se consome bebida alcoólica de forma excessiva.
Segue-se uma lista de 5 doenças em que a tontura pode ser um dos sintomas.

1. Labirintite

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa
A tontura, a sensação de vertigem e a falta de equilíbrio pode ser causada pela labirintite, que é uma inflamação de uma parte do ouvido, conhecido por labirinto, que é responsável pela audição e pelo equilíbrio.
Este problema é mais comum em idosos e o tratamento inclui o uso de remédios indicados pelo médico, como anti-vertiginosos para e tontura e a vertigem e anti-eméticos para os vômitos, enjoo e mal-estar.

2. Diabetes

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa

O açúcar baixo no sangue, conhecido por hipoglicemia é uma situação que pode surgir com mais frequencia em pacientes com diabetes e provoca tontura, sensação de queda e falta de força.
Além destes sintomas, quando o açúcar no sangue é inferior a 60 mg/dl, pode-se ter tremores, suores frios, visão embaçada e confusão e, caso a hipoglicemia não for tratada rapidamente, ingerindo açúcar, o problema pode-se agravar podendo ocorrer um desmaio.

3. Pressão alta ou baixa

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa
Tanto a pressão alta como a baixa podem causar tontura e sensação de desmaio, porém este sintoma é mais comum quando a pressão está baixa, com valores de 90 x 60 mmHg.
Além da tontura, quando a pressão é baixa, podem surgir outros sintomas como fraqueza, visão turva, dor de cabeça e sono. Porém, nem sempre é fácil distinguir pressão alta de baixa porque os sintomas são semelhantes, sendo que a melhor forma de confirmar é medindo a pressão com um aparelho.

4. Anemia

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa
A tontura pode ser um sintoma da anemia, que é quando há falta de oxigênio e nutrientes no corpo, como ferro, sendo acompanhada de palidez, fraqueza e cansaço frequente.
Geralmente, a anemia surge quando os valores de hemoglobina são inferiores a 12 g/dl em mulheres e 13 g/dl em homens e para tratar a doença é necessário o aumento de alimentos aumentar o consumo de alimentos ricos em ferro, como feijão preto ou morango e, em alguns casos, tomar suplementos ou remédios recomendados pelo hematologista.

5. Problemas no coração

Tontura pode ser sinal de anemia ou pressão baixa
Quando se tem problemas no coração, como arritmias, aneurisma da aorta ou ataque cardíaco pode surgir tontura, pois o mau funcionamento do coração leva à diminuição da capacidade de bombear sangue para o resto do corpo, causando outros sintomas como dor no peito, inchaço nas pernas e falta de ar, por exemplo.
O tratamento para estas causas pode ser feito na maioria dos casos com uso de remédios indicados pelo cardiologista e por vezes, necessitam de cirurgia ao coração.

Quando é preciso ir no médico?

É recomendado ir no clínico geral sempre que a tontura surge mais de 2 vezes ao dia, quando surge mais de 3 vezes por mês sem razão aparente ou quando se toma remédios para baixar a pressão ou para tratar a depressão por exemplo e, a tontura permanece por mais de 15 dias após o inicio do uso, pois existem remédios que causam tontura.
O médico ajudará a identificar a causa da tontura e no caso de ser necessário fazer tratamento o médico pode recomendar remédios, suplementos, cirurgia ou fisioterapia, segundo a doença que causa esse sintoma.

Blog de Deusa / Minha Vida 

Anemia: sintomas, tratamentos e causas

Imagem relacionada

O que é Anemia?



Anemia é definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal como resultado da carência de um ou mais nutrientes essenciais, seja qual for a causa dessa deficiência. As anemias podem ser causadas por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco, vitamina B12 e proteínas. Porém, a anemia causada por deficiência de ferro, denominada Anemia Ferropriva, é muito mais comum que as demais (estima-se que 90% das anemias sejam causadas por carência de Ferro). O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo.

Crianças, gestantes, lactantes (mulheres que estão amamentando), meninas adolescentes e mulheres adultas em fase de reprodução são os grupos mais afetados pela anemia, muito embora homens - adolescentes e adultos - e os idosos também possam ser afetados pela anemia.

Causas

As causas da Anemia por deficiência de ferro, tanto em crianças como em gestantes, são basicamente o consumo insuficiente de alimentos fontes de ferro e/ou com baixa biodisponibilidade. Na gestante, a anemia pode ser causada também pelas baixas reservas de ferro pré-concepcionais e a elevada necessidade do mineral em função da formação dos tecidos maternos e fetais.

Sintomas de Anemia

Os sinais e sintomas da anemia por carência de ferro são inespecíficos, necessitando-se de exames laboratoriais (sangue) para que seja confirmado o diagnóstico de Anemia Ferropriva. Os principais sinais e sintomas da anemia por carência de ferro são:
  • Fadiga generalizada
  • Anorexia (falta de apetite)
  • Palidez de pele e mucosas (parte interna do olho, gengivas)
  • Menor disposição para o trabalho
  • Dificuldade de aprendizagem nas crianças
  • Apatia (crianças muito "paradas").

Diagnóstico de Anemia

Para o diagnóstico da anemia, é necessário recorrer aos indicadores laboratoriais (hematológicos). O nível de hemoglobina é um dos indicadores que tem sido amplamente utilizado em inquéritos epidemiológicos para anemia, além de ser considerado adequado num diagnóstico preliminar para levantamentos em campo.
O ponto de corte proposto pela OMS para nível de hemoglobina indicativo de anemia em crianças de 6 a 60 meses e em gestantes é abaixo de 11,0 g/dl.

Tratamento de Anemia

O ferro pode ser fornecido ao organismo por alimentos de origem animal e vegetal. O ferro de origem animal é melhor aproveitado pelo organismo. São melhores fontes de ferro as carnes vermelhas, principalmente fígado de qualquer animal e outras vísceras (miúdos), como rim e coração; carnes de aves e de peixes, mariscos crus.
Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o leite e o ovo não são fontes importantes de ferro. Contudo, no mercado já existem os leites enriquecidos com ferro, que ajudam no combate da anemia. Entre os alimentos de origem vegetal, destacam-se como fonte de ferro os folhosos verde-escuros (exceto espinafre), como agrião, couve, cheiro-verde, taioba; as leguminosas (feijões, fava, grão-de-bico, ervilha, lentilha); grãos integrais ou enriquecidos; nozes e castanhas, melado de cana, rapadura, açúcar mascavo. Também existem disponíveis no mercado alimentos enriquecidos com ferro como farinhas de trigo e milho, cereais matinais, entre outros.
A presença de ácido ascórbico, disponível em frutas cítricas, e alimentos ricos em proteínas na refeição melhora a absorção de ferro proveniente de produtos vegetais, como: brócolis, beterraba, couve-flor e outros. Por outro lado, existem alguns fatores (fosfatos, polifenóis, taninos, cálcio) que podem inibir a absorção do ferro, presentes em café, chá, mate, cereais integrais, leite e derivados.
Ressalta-se que o leite materno é considerado fator protetor contra Anemia por deficiência de ferro devido à alta biodisponibilidade do ferro existente. Estudos evidenciam associação de anemia em crianças que tiveram pouco tempo de aleitamento materno exclusivo, alimentação prolongada com leite de vaca e com a introdução da alimentação complementar precoce.

Medicamentos para Anemia

Os medicamentos mais usados para o tratamento de anemia são:
Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Complicações possíveis

O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) das células vermelhas do sangue e no transporte do oxigênio para todas as células do corpo.
A anemia ferropriva traz os seguintes efeitos adversos ou consequências: diminuição da produtividade no trabalho, diminuição da capacidade de aprendizado, retardamento do crescimento, apatia (morbidez), perda significativa de habilidade cognitiva, baixo peso ao nascer e mortalidade perinatal. Além disso, a anemia pode ser a causa primária de uma entre cinco mortes de parturientes ou estar associada a até 50% das mortes.
Em crianças a anemia está associada ao retardo do crescimento, comprometimento da capacidade de aprendizagem (desenvolvimento cognitivo), da coordenação motora e da linguagem, efeitos comportamentais como a falta de atenção, fadiga, redução da atividade física e da afetividade, assim como uma baixa resistência a infecções. Nas grávidas, a anemia é associada ao baixo peso ao nascer e a um incremento na mortalidade perinatal.
          Blog de Deusa / minha vida


Suco de cenoura detox - Receita também leva abacaxi, salsinha e laranja.

Suco de cenoura - Foto Getty Images

Ingredientes

Suco de cenoura
1 cenoura
½ maço de salsinha
Suco de 4 laranjas
2 fatias de abacaxi

Modo de preparo

Bata todos os ingredientes no liquidificador e sirva.
Rendimento: 4 copos
Calorias: 78 kcal por copo

          Blog de Deusa / minha vida




sábado, 29 de julho de 2017

Adlux Cosméticos Profissionais - Dicas de Deusa - Tudo sobre os Cosméticos -


Atenção Mulheres lindas Nivel Brasil !!!
A Adlux Cosmeticos Profissionais BsB
Convida a todas voçes a conhecerem nossa grife de perfumaria importada exclusivamente foi feito pensando em vocês mulheres





Shinelux é um produto de alto desempenho, tendo como finalidade na utilização após processos químicos e de escovação.


Sistema inovador de proteção contra danos nos processos de coloração e clareamento dos fios.


LINHA CACHOS ADLUX
Hidratante, revitalizante, restaurador para cabelos ondulados e cacheados. Limpa delicadamente ajudando definir os cachos e controlar o volume, eliminando o frizz. Sistema nanotecnologia que facilita a formação de cachos proporcionando brilho, força e resistência aos fios.












                            Blog de Deusa


sexta-feira, 28 de julho de 2017

RESENHA: BATONS MATTISSIMO DA MARY KAY

BATONS-MATISSIMO-MARYKAY-RESENHA-01
De um tempo pra cá, tenho me perguntado se qualquer dia desses os batons mattes ainda vão cair de moda. Porque, pensa comigo: já faz anos que a tendência matte deu suas caras e até agora ninguém parece muito disposto em deixa-la ir embora. Muito pelo contrário, a cada mês, mais e mais marcas aparecem com novos produtos que celebram o acabamento mais queridinho dos últimos tempos…
E o mais recente lançamento que eu presenciei foi a coleção de Batons Matissimo da Mary Kay.
BATONS-MATISSIMO-MARYKAY-RESENHA-02
Fiquei na dúvida se fazia ou não resenha deles – primeiro porque me pareceu “só mais uma coleção de batons mattes” (bocejos), e segundo porque já têm muitas resenhas desse tipo aqui no blog. Mas sabe o que me fez mudar de ideia? A qualidade desses batons… Quando eu testei cada uma das cores, tive certeza que não poderia deixar essa novidade passar batida por aqui. Então, acompanha comigo:
Bom, são 11 cores de batons: Belíssimo Nude, Fiore Rose, Tutti Pink, Dolce Pink, Paparazzi Pink, Orchid Allegro, Grazie Violet, Orange Mio, Roma Red, Red Amore e Puro Mirtillo. Todos com acabamento matte (jura?), alta cobertura e textura confortável.
DESTAQUE-BATONS-MATISSIMO-MARYKAY-RESENHA-02E-D: Belíssimo Nude, Fiore Rose, Tutti Pink, Dolce Pink, Paparazzi Pink, Orchid Allegro, Grazie Violet, Orange Mio, Roma Red, Red Amore e Puro Mirtillo
DESTAQUE-BATONS-MATISSIMO-MARYKAY-RESENHA-04
Gostei muito da formula deles. Em uma só passada você consegue o máximo de cor e (se sua boca não for das mais ressecadas) nem precisa de lip balm pra fazer eles deslizarem no lábios. Eles também não falham de jeito nenhum e são tão macios que você nem acredita que possam ser foscos. São maravilhosos!!!
Resultado de imagem para batons mary kay

Mas assim, vou te falar a verdade… O acabamento não chega nem perto dos retro mattes da MAC, por exemplo. Apesar de serem bem foscos, eles não atingem o que a maioria de nós conhece como acabamento matte. Por um lado isso é bom, porque esses batons não deixam a boca com aquele aspecto desidratado, sabe?! Mas não é muito legal pra quem tá procurando o matte dos mattes…
Outro ponto que eu observei é que eles transferem um pouco. Mesmo depois de horas nos lábios, eles não secam completamente e continuam a transferir – a não ser que você tire bastante o excesso com um lenço de papel.
Tudo isso é compensado pela durabilidade! Usei pela primeira vez pra ir num evento em que eu conversei bastante, comi, bebi e mesmo assim, depois de longas horas, ele continuou lá, firme e forte! Só retoquei mais pro final do dia, depois de umas 6 ou 7 horas! Fiquei impressionada com isso!!!
O preço também um ponto positivo: R$49 reais cada. Achei um valor bem coerente com o que eles oferecem – nem mais nem menos.
DESTAQUE-BATONS-MATISSIMO-MARYKAY-RESENHA-05
Os batons já estão a venda no site da marca. Se preferir, encomende o seu com a sua consultora Mary Kay (:
Espero que tenham gostado! Não deixe de comentar! BEIJOS



                Blog de Deusa / Google