quinta-feira, 30 de junho de 2016

Lipoatrofia facial secundária a paniculite lúpica em mulheres acima de 50 anos corrigida com ácido hialurônico - Relato de caso


RESUMO
 Paciente do sexo feminino, de 47 anos, com paniculite lúpica facial, sem atividade da doença há mais de um ano. A grande atrofia malar e temporomandibular provocada pela patologia transformou-se em grande problema para a paciente produzindo impacto em sua qualidade de vida. Procedeu-se a preenchimento com ácido hialurônico através de micro canulas, compensando o defeito com resultados esteticamente adequados. Palavras-chave: ácido hialurônico; paniculite de lúpus eritematoso; qualidade de vida.
INTRODUÇÃO 
O lúpus cutâneo crônico é patologia autoimune com incidência de 4.3/100.000 ao ano na população e prevalência de 73/100.000. Desses casos, percentual que varia de dois a 18% pode evoluir para lúpus sistêmico num período de 8.2 anos.1 A paniculite lúpica é apresentação pouco usual, constituindo menos de 3% dos casos de lúpus cutâneo crônico.2 Quando não é diagnosticada e tratada precocemente pode produzir grandes deformações que comprometem o aspecto da face e produzir grande impacto na qualidade de vida.3
RELATO DO CASO 
Apresentamos o caso de paciente de 47 anos do sexo feminino, com antecedente de paniculite lúpica. O motivo de sua consulta foi a procura de tratamento estético para o defeito induzido pelo lúpus em sua face.
Figura 1: Paniculite lúpica facial visão oblíqua: Imagem 1 A. Antes do preechimento B. Imediatamente após C. Seis meses depois Figura.


 2: Paniculite lúpica visão frontal: Imagem 1 A. Antes do preenchimento B. Imediatamente após, observando-se a compensação do subcutâneo, que evidencia a atrofia epidérmica na area C. Imediatamente após a aplicação de ácido hialurônico de menor densidade em plano mais superficial.

Ao exame físico apresentava áreas bem delimitadas de atrofia cutânea nas zonas malar e temporomandibular, com histolopatogía compatível com paniculite lúpica. Como antecedente citava a estabilidade clínica das lesões existentes, sem surgimento de novas lesões há mais de 18 meses, com hemograma e perfil bioquímico normais, ANA negativo, C2 e C3 normais, anti DNA dupla hélice e perfil ENA negativos, sob controle clínico com Plaquinol 200 mg dia. Uma vez estabilizado o quadro clínico, as lesões faciais tornaram-se um verdadeiro problema cosmético para a paciente, causando grande impacto em sua qualidade de vida.3,4 O lúpus profundo é apresentação pouco frequente, não havendo relatos na literatura que contraindiquem absolutamente o preenchimento com ácido hialurônico em colágeno patias, uma vez estabilizado o quadro.5
DISCUSSÃO
 Recordamos que o uso de volumizadores em colágenopatias aparece na literatura, descrito em vários relatos, principalmente de paniculite lúpica e síndrome de Parry Romberg.6,7 Considerando que o ácido hialurônico é preenchedor inócuo, planejamos a restituição do volume perdido pela doença, usando 3ml de ácido hialurônico (Emervel® Volume, Galderma, Santiago, Chile) nas regiões malar e temporal com microcânula n. 21G no plano supraperiostal, com técnica de retroinjeção em pontos8-10 (Figura 1). Ao melhorar o volume do subcutâneo tornou-se evidente a atrofia epidérmica do lúpus, para a qual usamos 1ml de ácido hialurônico (Emervel® Touch,Galderma,Santiago,Chile) com cânula 30G e retroinjeçâo em leque muito superficial compensando o defeito de maneira estéticamente adequada (Figura 2)
CONCLUSÃO 
Apresenta-se o caso de paniculite lúpica, que é forma rara de lúpus cutâneo e, quando localizada na face, tem grande importância psicológica e cosmética para o paciente. Tratar o defeito ocasionado melhora enormemente a qualidade de vida do indivíduo, tendo sido escolhido o ácido hialurônico como preenchedor por sua excelente biocompatibilidade e versatilidade em relação à viscosidade, considerando sem dúvida a estabilidade do quadro de base. l
REFERÊNCIAS
 1. Durosaro O, Davis M, Reed K, Rohlinger A. Incidence of Cutaneous Lupus Erythematosus,1965-2005: A Population-Based Study. Arch Dermatol. 2009;145(3):249-53. 2. Hawilo A, Mebazaa A, Trojjet S, Zribi H, Cheikh Rouhou R, Zaraa I, et al. Acquired unilateral Facial lipoatrophy: presentation suggestive of lupus panniculitis. Tunis Med. 2012;90(6): 499-501. 3. Verma SM, Okawa J, Propertr KJ, Werth PJ. The impact of skin damage due to cutaneous lupus on quality of life. Br J Dermatol. 2014;170(2):315-21. 4. Massone C, Kodama K, Salmhofer W, Abe R, Shimizu H, Parodi A, et al. Lupus erythematosus panniculitis (lupus profundus): Clinical, histopathological, and molecular analysis of nine cases. J Cutan Pathol. 2005; 32(6): 396-40. 5. Monteiro MR. Doenças autoinmunes, diabetes e cosmiatría. Mateus A, Palermo E. Cosmiatria e Laser. São Paulo:AC Farmacéutica; 2012. p.102-7. 6. Eastham B, Liang C, Femia A, Lee T, Vleugels R, Merola J. Lupus erythematosus panniculitis-induced facial atrophy: Effective treatment with poly-L-lactic acid and hyaluronic acid dermal fillers. J Am Acad Dermatol. 2013;69(5):e260-2. 7. Thareja S, Sadhwani D, Fenske ND. En coup de sabre morphea treated with hyaluronic acid filler. Report of a case and review of the literature. Int J Dermatol. 2015; 54(7):823-6. 8. Braz A, Sakuma T. Región malar y cigomática. Lesqueves Sandoval MH, Leis Ayres E. Rellenos 1º Ed. São Paulo: AC Farmacéutica; 2014. p. 199-203. 9. Carruthers JD, Carruthers A. Facial sculpting and tissue augmentation. Dermatol Surg. 2005;31(11 pt 2):1604-12. 10. Morley AMS, Malhotra R. Use of Hyaluronic acid filler for tear trough rejuvenation as analternative to lower eyelid surgey. Opththal Plast Reconstr Surg. 2011:27(2);69-73.Blog de Deusa 2013(1).

Autores: Natacha Quezada Gaón1 Cristian Vera-Kellet2 Alvaro Abarzúa3 1 Médica dermatologista – Santiago de Chile, Chile. 2 Professor-assistente de dermatología e coordenador de patologias autoinmunes do Serviço de Dermatología da Faculdade de Medicinar da Pontifícia Universidade Cató- lica de Chile – Santiago de Chile, Chile. 3 Médico dermatologista no Serviço de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Chile – Santiago de Chile, Chile. Correspondência para: Natacha Quezada Gaón Av. da Vicuna Mackenna 4686, Santiago, Región Metropolitana Santiago de Chile. E-mail: natachaq@yahoo.es Data de recebimento: 08/10/2015 Data de aprovação: 10/12/2015 Trabalho realizado no Serviço de Dermatología da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Chile – Santiago de Chile, Chile Suporte Financeiro: Nenhum Conflito de Interesses: Nenhum


Blog de Deusa / v7-Lipoatrofia-facial-secundaria/
-a-paniculite-lupica-corrigida-com-acido-/
hialuronico---Relato-de-caso (2).pdf

 3
  



Postar um comentário