sábado, 21 de fevereiro de 2015

Cientistas revelam como se faz pipoca Temperatura de 180°C é a ideal, o ‘pulo’ tem a ver com uma ‘perna’ e o som nada tem a ver com a explosão, mas com o vapor d’água


Físicos franceses descobriram como se faz pipoca
Foto: Fábio Seixo / Agência O Globo

Físicos franceses descobriram como se faz pipoca - Fábio Seixo
PARIS - Cientistas franceses descobriram que a temperatura ideal para “estourar” a pipoca é a de 180ºC. Ao atingir este limiar, o invólucro se abre, seja qual for o tamanho e o formato do grão — e todo o processo acontece em centésimos de segundo. A pesquisa, publicada na revista “Royal Society Interface”, também investigou a maneira como a pipoca “pula” e o som que emite quando o vapor de água é repentinamente liberado.
Os físicos Emmanuel Virot e Alexandre Ponomarenko estudaram cada etapa em detalhes para compreender sua base científica subjacente. Usando câmeras de alta velocidade que gravam 2.900 quadros por segundo, eles observaram a pipoca sendo aquecida em um forno e foram aumentando a temperatura em 10°₢ ao longo de cinco minutos.

Eles observaram que a umidade no interior do milho começou a virar a vapor quando a temperatura passou de 100°C. A 170°C, apenas 34% dos grãos de pipoca tinham estourado, mas a 180°C, 96% do milho havia virado pipoca.

Ao observar os “saltos” da pipoca, os cientistas repararam que a primeira coisa a surgir a partir do casco fraturado é uma estrutura apelidada de “perna”. A análise revelou que essa “perna” de amido é o que impulsina o núcleo do milho para o ar.

Por fim, o som: nada tem a ver com o “pulo” no ar. Em vez disso, os pesquisadores concluíram, tem mais a ver com a repentina liberação de vapor de água do núcleo do milho. Depois da “explosão”, uma queda de pressão transforma cavidades no interior do milho em ressoadores acústicos.

E voilà! Pronta para comer.

             Blog de Deusa / O Globo



Postar um comentário