sábado, 9 de maio de 2015

Aos filhos sem mãe


                            
Em toda comemoração do Dia das Mães vejo dois grupos de filhos que choram copiosamente.

                                                   
 No primeiro, os filhos choram de alegria porque têm suas mães por perto. No segundo, os filhos choram de tristeza, pois não têm suas mães por perto.


 Confesso que muitas vezes vi esta cena e pensei de forma simplista quanto aos filhos sem mãe: ”Eles choram por que suas mães já morreram”. Nunca imaginava que alguns pudessem ser filhos que foram abandonados ou que jamais haviam conhecido suas mães.
                         

Sempre me esqueço que o que mais existe no mundo são pessoas e histórias. Então, passei a prestar mais atenção aos relatos. Existem filhos que perderam suas mães no parto, num acidente, por abandono, por doença.

Há filhos que perderam suas mães por que elas se mudaram para um país distante a fim de trabalhar e nunca mais voltaram. Há filhos que perderam suas mães por causa da separação dos pais. Há filhos distanciados de suas mães por que eles mesmos se foram para bem longe e nunca mais voltaram. Alguns filhos e mães se desentenderam e nunca mais viveram como mãe e filho.  


São tantos os motivos, tantos os caminhos que as pessoas escolhem; e muitos depois se arrependem. Por isso, choram tanto. Alguns até uivam de tristeza. O remorso é faca que penetra e dilacera a alma, principalmente por que o tempo não volta. Por outro lado, assim como tenho ouvido histórias tristes iguais às supracitadas, também tenho ouvido de incríveis restaurações de filhos e mães que retornam ao lar, de pedidos de perdão, de laços reatados. O Espírito Santo de Deus tem restaurado muitos relacionamentos, reescrito histórias, apagado cicatrizes e reconstruído famílias. Mães têm perdoado seus filhos e filhos têm perdoado mães. O Espírito Santo é Consolador, por isso tem consolado aqueles que nunca viram suas mães, nunca deitaram no colo delas, ou comeram suas ”jantinhas” especiais. O segredo da libertação dessas pessoas não está apenas no fato de terem amadurecido ou ficado mais velhas ou mesmo se tornarem pais e entenderem seus pais.
O segredo da restauração de uma vida está no quanto ela se abre para deixar Deus agir em seu coração. Recomeços e restaurações acontecem no coração daqueles que se abrem para Deus agir, que estão dispostos a perdoar, a esquecer, a entender, a compreender e ter esperança. A falta de uma mãe causa um enorme buraco na alma, sim, mas que o amor de Deus pode preencher. Só na eternidade saberemos os motivos dos destinos tão diferentes – uns têm mães por perto, outros não – todavia, o fato de viver essa trágica realidade não tira a importância e o significado da nossa vinda ao mundo. Temos que continuar a caminhar e cumprir nossa missão a despeito dessa desconfortável realidade. Se você vive uma realidade sem mãe, faça como os pais que não conseguem ter filhos: adote. Isso mesmo: adote uma mãe. Há tantas mulheres cujos filhos estão distantes ou já se foram; adote-as como mães. Cuide delas como cuidaria da sua mãe. Jesus, momentos antes de morrer, pediu a João, o discípulo amado, para que cuidasse de Maria, sua mãe (João 19.26-27). Eis aí um bom exemplo de adoção de mãe. Hoje pode ser o dia em que Deus iniciará um novo capítulo em sua vida e também de muitas mães que estão distantes de seus filhos. Abra sua vida e deixe Deus restaurar a sua alma. Deus o abençoe!



                 Blog de Deusa / Lagoinha.com


Postar um comentário